lunes, 17 de junio de 2013

CONTADOR BORGES [10.097]

                                                                                      Foto: Marcela Jones

Contador Borges nació en São Paulo, BRASIL en 1954. Tradujo a Nerval (Aurélia), Sade (A filosofia na Alcova) y a René Char (O nu perdido e outros poemas). Publicou en 1997 Angelolatria, su primera antología de poemas, todos por la editora Iluminuras. 



TRADUCCIÓN DE: Hilda Figueroa

  


Desierto en nube...

Desierto en nube, hoja blanca que sabe que va a llover mas tiene que esperar. Mientras espera, concibe la lluvia en un sueño incandescente de la espera. He aquí el momento en que el proyecto se venga, dejando tras de sí la caudalosa soledad del esbozo, en perenne estado de guerra con las adyacencias de los límites siempre renovados, y que se aproxima en las patas de un caballo efímero sin tocar el suelo: Pegaso en forma de incendio. El móvil del deseo se diluye. Y cuando finalmente es vencido el brazo extremo de las circunstancias, (inmovilizado a nuestro favor), en la férrea lucha con los demonios del acaso y las líneas sin ternura de los acontecimientos más dispares, su carne se desnuda hasta el dócil límite de los huesos. El espíritu entonces, adquiere un rubor que inflama la ocasión coronando la mesa del instante, pero nada más sobra para los ojos. Lo que interesa está allá, en la ligera tierra de la alegoría, en la unión sublime a las plantas de Aquiles, tales son los incalculables subterfugios de la conquista. El tiempo de la actuación pasó. Nada resta por hacer. El ideal está de nuevo al otro lado del horizonte, bañado y vestido con los colores de su antigua desnudez. 
  



  
Deserto em nuvem....

Deserto em nuvem, a folha branca sabe que irá chover, mas tem de esperar. Enquanto espera concebe a chuva num sonho incandescente. Eis o momento em que o projeto se vinga deixando para trás a solidão caudalosa do rascunho em perene estado de guerra com as adjacências dos limites sempre renovados quando se aproxima nas patas de um cavalo efêmero sem tocar o solo: Pégaso em forma de incêndio. O móvel do desejo se dilui. E quando o braço extremo das circunstâncias é finalmente vencido (imobilizado a nosso favor) na luta de ferro com os demônios do acaso e as linhas sem ternura dos acontecimentos mais díspares, sua carne se desnuda até o dócil limite com os ossos. O espírito então adquire um rubor que acende a ocasião coroando a mesa do instante, mas nada mais sobrou para os olhos. O que interessa está além, no chão ligeiro da alegoria, na aderência sublime à sola dos pés de Aquiles, tais os incalculáveis subterfúgios da conquista. O tempo de atuação já passou. Nada resta a fazer. O ideal está de volta no outro lado do horizonte banhado e vestido com as cores de sua antiga nudez.




Ojos encendidos de alcohol...

Ojos encendidos de alcohol. Incendio que a un tiempo une y separa. Nada aprendí con el tiempo, sólo con las cenizas en la disolución de cosas íntimas, expresión devastada por el instante (su brillo ciego), donde la pequeña voz (su júbilo) socorre al alma en medio de escombros. ¿Para qué sirve el poema? ¿La danza de las vocales rarefactas? ¿Tocar con furia enmarañada en ternura los grandes hombros de los eventos dispares? Y como quien renuncia a los movimientos en la oscuridad o baja los ojos ocultando la inquietud, se sacrifica el tiempo a las palabras esparcidas por el párpado. Mejor que eso es beber al acaso la leche negra del olvido. 
  
  




Olhos acesos no álcool...

Olhos acesos no álcool. O incêndio ao mesmo tempo nos une e separa. Nada aprendi com o tempo, só com as cinzas na dissolução das coisas íntimas, dos gestos assolados pelo instante (seu brilho cego), onde a voz pequena (seu júbilo) socorre a alma em meio a escombros. Para que serve o poema? A dança das vogais rarefeitas? Tocar com fúria enovelada em ternura os ombros grandes dos eventos díspares? E como quem depõe os gestos no escuro ou desarma os olhos cobrindo o tumulto, sacrifica-se o tempo às palavras derramadas pela pálpebra. Melhor que isso é beber a esmo o leite negro do esquecimento. 






Considerarlo todo a partir de lo que vibra...

Considerarlo todo a partir de lo que vibra. En la exhuberancia, donde los sentidos se erizan al tocar las cosas y las encarnan en la aspereza de sus pelos vivos. Será ése el rumbo. El mar de resonancias es el horizonte de donde derivaremos nuestro flujo más nítido, así como toda corriente o efecto de concha más íntima de que se tiene noticia. Ningún resabio o fragancia indebidos pasarán próximos a los elementos de ataque con los que el poema acostumbra abrir oídos y párpados a la efervescencia. Sus falanges derribarán la línea divisoria con la extrañeza, pues a esa altura todos comulgarán del legado que congrega a los ánimos adeptos de los atajos y desvíos altaneros. En este escenario, hasta la última piedra de la ilusión, todo será concluido en cuestión de escombros y ruinas. Y todo desamparo será su propia bandera desplegada al batir de los párpados. 
  
  



Considerar tudo a partir do que vibra...

Considerar tudo a partir do que vibra. Doravante será esse o rumo a ser tomado na exuberância onde os sentidos se arrepiam ao tocar as coisas e encarná-las na aspereza de seus pêlos vivos. O mar de ressonâncias é o horizonte de onde derivaremos nosso fluxo mais nítido e toda correnteza o efeito da concha mais íntima de que se tem notícia. Nenhum ressaibo ou fragrância indevidos passarão rente aos elementos de ataque com que o poema costuma abrir ouvidos e pálpebras à efervescência. Suas falanges derrubarão a linha divisória com a estranheza, pois a essa altura todos comungarão da herança que congrega os ânimos adeptos dos atalhos e desvios altaneiros. Neste cenário, até a última pedra da miragem, tudo será concluído em questão de escombros e ruínas. E todo desamparo será sua própria bandeira desfraldada ao bater as pálpebras.





Poemas de O REINO DA PELE





O que não cola aos olhos 
se recolhe às dobras da voz em trevas para outra noite
reticente nos lábios infinitos do murmúrio
atados pelo impulso da maré escura
que dimana no silêncio no momento
em que o pulso separa as mil peles do escombro
e o ser expulso gira no interlúdio
ao sair do tumulto ilusório que gera a cegueira
por não conter a febre em seus enclausuráveis poros.






Lavar os olhos
na luz aguda

secar nos poros
a verve nua

o suor que se atreve
a falar pela pele.






Na mais imóvel das semelhanças a borboleta 
e o corpo de cera evitam a chama para encarnar a vida 
em movimento além da aparência e do alarido
funerário (com cabelos postiços) na trama opaca de água,
ao mesmo tempo diáfana no adejar de asas
dobrando o poente como uma página, e a carne, a seda,
uma trajando reluzente metáfora (ouro e negro nas bordas),
a outra retirada de um catálogo de ceroplástica, 
mais aderente possível à matéria a ponto de iludir o tempo
exibindo uma têmpera de luxo alheia a toda influência.
A cera se move num pacto de vida e de morte,
simulando a morte no horror interno e disforme
dos órgãos e nervos, e a vida, na pele imantada em ícone 
liso e contínuo a temer só a incandescência: uma chama 
de vela a tirar-lhe o fôlego. E assim a beleza foragida 
se viu despida das partes do que foi em labareda. 







Ao tocar seu osso, cartilagem
noturna do canto, um som
rascante (de êxtase?)
acalma o insidioso pomo-de-adão dos castrati
e o pendor de ouro nos testículos
desses anjos de sangue.
Quanto mais se afastam do ideal, 
mais firme aderem ao pentagrama da carne
em lua desnudada pelo raio
durante a tempestade do corpo,
que começa grave e acaba em soprano.
°°°
Às cordas do instante o toque é um legado de que somos ressonância na paleta híbrida dos dias sem que se perceba a ação secreta da euforia e seu intento explodindo em pigmentos ou princípio de incerteza onde a luminosidade íntima tende a ser refeita a cada morte mais intensa sob a trama da aparência nos interstícios da vida ou entrelinhas do poema. 







Considerar tudo a partir do que vibra. Doravante será esse o rumo a ser tomado na exuberância onde os sentidos eriçam ao tocar as coisas e encarná-las na aspereza de seus pêlos vivos. O mar de ressonâncias é o horizonte de onde derivaremos nosso fluxo mais nítido e toda correnteza o efeito da concha mais íntima de que se tem notícia. Nenhum ressaibo ou fragrância indevidos passarão rente aos elementos de ataque com que o poema costuma abrir ouvidos e pálpebras à efervescência. Suas falanges derrubarão a linha divisória com a estranheza, pois a essa altura todos comungarão da herança que congrega os ânimos adeptos dos atalhos e desvios altaneiros. Neste cenário, até a última pedra da miragem, tudo será concluído em escombros e ruínas. E todo desamparo será sua própria bandeira desfraldada a bater as pálpebras.






Olhos acesos no álcool. O incêndio nos une e separa. Nada aprendi com o tempo, só com as cinzas, na dissolução das coisas íntimas. A fúria enovelada em ternura toquei os ombros dos eventos díspares e em meio ao tumulto deixei os gestos no escuro. Melhor que isso: bebi a esmo um copo negro de esquecimento. 






O que faz entre os dedos 
o movimento 
sem receio 
de vertigem 
na escura vigília 
do que veio 
antes da origem: 
espelho de estrelas 
imberbes 
em meneio de cílios 
niquelados 
na forma da leveza 
sem sobressalto 
como as cores 
da cegueira
onde toda ausência 
se faz presença
mais que nua: rarefeita
ao ser tocada 
com a língua.    







Talvez um dia as palavras morram como as cores e não haja signos nem intérpretes para a exuberância e o milagre do assombro. As fronteiras vazadas e o espaço assolado todos estarão sem rumo no deserto sob a grande lâmpada, andarilhos de sonhos descalços no vazio profundo como na imagem chinesa do K'an, o Abismal (água): no fundo do abismo há um fosso: abismo sobre abismo. Mas o pior dos presságios não demove inteiramente o encanto com fecho em camafeu de orvalho tanto tempo aquecido sob o fulgor das apostas mais delirantes da espécie. Esta mesma que por alguma razão obscura conserva dentro das almas a insolência do fogo intransferível do retorno. 







Tudo muito claro com a púrpura do afeto. Mas como não levar em conta que a bandeira encarnada do amor está fincada sobre o nada disfarçado com estofo colorido para enlevo dos olhos e ruína do equilíbrio? No mais as pétalas do riso de viçosas no início esmaecem sob a chuva das intempéries e calafrios do inesperado rompendo as vigas mestras da matéria onírica com que se cobre tal império.







O herói da ausência tem olhos cheios de noite. E quando se vê desolado sobre a página, sai em busca de sentido e claridade sem saber se voltará para casa ferido de vida ou de morte. Seus olhos estão deitados no infinito, suas mãos tateiam a poeira das belezas transitórias. Sua voz guarda no âmago poder de ocultação e desvelo (como todas as verdades) e esse movimento governa o princípio que desencadeia as ações fabulosas, suas glórias e fracassos. Noite após noite ele cumpre seu rito sob as luas bordadas no céu das gregas calendas. Só irá consagrar-se numa morte inebriante em que sai da pele como um raio que floresce. 







Quem de coração adere quer além da pele e ao beijar as veias ser o próprio sangue e toda evidência de um corpo sem fronteiras cuja ressonância ou luz primeira é alma da corrente e voz da transparência que o mais intenso é feito à contraluz do alento sem discernimento e vontade de presença que sendo efêmera quer continuidade na carne das vogais e consoantes onde a margem reina pelo curso e faz a diferença pois tudo é uma questão de ouvir com mais cuidado as reticências.






Todo ato é fio e conseqüência do entrelace onde o homem joga suas chances e fabrica seus acordos e dissídios. O efeito das ações jamais é o mesmo e não há certezas que perdurem sem errância nem atalhos que não levem a precipícios com a vaga complacência dos acasos. Talvez por isso a intensidade sirva de lucidez ao desespero num definitivo e radiante esforço que será ouvido no ponto cego do extremo.






Recolhimento: o que é de fora está suspenso, o que é de dentro se concentra num querer incipiente cujo sentido é não ter sentido ao perseverar pelo íntimo nas entrelinhas, esse outro nome do infinito. Seu segredo se resume em guardar-se entre parênteses como se o tempo fosse alheio e o espaço reticente ao que é feito em sigilo e desfeito em transparência. 






Quer a linha da vida com toda irreverência permanecer altiva, indiferente às outras linhas, com sua prerrogativa de carregar a existência para não se sabe onde sem dar trelas aos matizes, às oscilações de percurso, admitindo tudo como contingência ou devaneio de afluentes, desvios da trajetória sem no entanto tirá-la do curso programado ou furtar seu leme sob tempestade ou alívio? Pois ela teima em ramificar-se ao longo dos anos, esta árvore insólita horizontalmente tramada nos extremos da carne como um esboço entregue na contramão dos projetos secretos do âmago. E se este mapa é fiel ao nosso ouro mais íntimo nunca se sabe ao decifrá-lo em mãos alheias olhos doutos quiromantes. Onde nos levarão estas linhas por certo saberemos ao saltar desse tempo para outro (ao dar as mãos à palmatória), breves sombras, meros efeitos que somos de nós mesmos distantes dos traçados e linhas. 




No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada