miércoles, 24 de octubre de 2012

WALTER GAM [8201]



Walter Gam nació en Belo Horizonte, BRASIL en 1983. 
Publicó Variações de um Movimento íntimo (2003) y Ambiente (2009). 
Se licenció en Bellas Artes en la Escuela Guignard, de la Universidad del Estado de Minas Gerais y en 2009 participó como artista residente en el proyecto Idensitat, España. 
Su obra se extiende a prácticas visuales que acompañan sus escritos, como el vídeo, la fotografía y la pintura.



ALCAUCIL 

lo que decís es
más de lo que yo
puedo decir
para donde apuntan
tus pestañas
no hace casi ningún sonido
entre los tentáculos la
arena contra los poros
mantenía un panorama de 
derretimiento
cortaba en uno

ese es el 
centro de gravedad
un contraste que
aisla cada palabra
cada una de las que
pone en
secuencia



Pato / Walter Gam





NO TENEMOS...

NO TENEMOS de donde
sostenernos.
quizás forme parte de las reglas:
andá allá y no te agarres
de nada.

en otra de 
tus desapariciones
cruzando
la autopista
a toda con grito
para reconocer. ahí
te disponés a investigar
la fase desertora
seguida por
vicios discretos.

eviten usarla o
considérenla desactivada.

son engaños,
ponderación
cosas de las cosas
que se deshacen
en dirección 
al borde

en un desenlace
fortuito
que no exceda
las frecuencias 
más bajas,
simplificando:

poné el pie
en el acelerador
yo amplifico
el carácter sutil
por un precio
sugerido
y entonces

cómo articular lo que
fue la noción ficcional

sobre el lugar
la carga de exhibición
el espacio negativo, el
contenido entre
capas
conciliables. casi
palpables inclusive

y creas un tipo
de incomodidad
diciendo



primer encuentro latinoamericano de la soledad / Walter Gam






COMÉS UN POCO... 

comés un poco de
amarillo pero negás el naranja, ahora
talvez por la forma
alargada, curva. tomás
aquel ácido
no por lo metálico en sí.
después llegará el rojo y el
oliva. un líquido que se 
separa del mismo modo
que vuelve a ser el
inicio. el blanco perdido
por aquí es casi el mismo
y cuando no haya
más azafrán
aún será amarillo
lima y transparente. una
variación densa de 
magenta sobre crema,
mezclándose



Walter Gam : s/t





COMPRO EL COLOR...

COMPRO EL COLOR y
lo llevo conmigo
hay algo de suspenso en transportar
tanta pintura
en direccion al puente
sobre la corriente
parados con bolsas
llenas de pigmento
la atención vuelta hacia el agua
el polvo rojo fuera del plástico
expandiéndose
en una turbulencia hasta
la onda del choque
complementada con el agua
fluoresciendo verde
despacio cuando hablás
despacio y
tan próxima en el retrovisor de 
la planicie inmensa
que no significa tuya
a medida



walter gam : alunissagem 
2010 / azeite e papel de seda





NUESTRO ITINERARIO... 

NUESTRO ITINERARIO, insomnio,
avenida.
hojear imágenes tipo vogue 94.
un juego material con lado perecible.
al almacenar ese terreno,
la serie de aquietamientos,
saltos olvidado 
un plano de dispersión.

sabés, robo todo cuanto podría emerger
cuando la música continúa y las manos están apoyadas
en la vidriera.

amontonamiento de retículas, toques mínimos,
golpes en la memoria reciente, la heroína en medio
de su lamento infantil.
lágrimas postizas por el canto.

tenía muchas restricciones para verla

en aquella época y cuando ella entró,
samples repetidos hasta el agotamiento

llega la mayor parte de los sonidos de un aparatito
a pilas que encontramos.

tienen algunos sonidos de animales y de la naturaleza

fueron quedando dos
veces 
más otras tantas
y por fin ahora son lo contrario.
si pudieran habrían
sido plantas sin crujidos.
tendría el faro
mirando al horizonte.




(Walter pintando bajo la severa vigilancia del toxodonte)



aka (WALTER GAM)
para aníbal cristobo


A

unos días de plazo y es cierto
lo que busca
en las marcas del último que anduvo por aquí.
no hay servicio secreto y aunque
fallase el plan b
eso de remontar los fósiles
revela muy poco
antes de eso conoce el
trayecto de los pastizales
pasa que una hora
pasa que el aislamiento repite
y que nada es para ayer
conecta parte de las elipsis
pero las versiones son una oportunidad
una visita repentina con 
rayas y jeans
y el brillo? no digamos que
sea una fuente de eso, tampoco
que la vista no abarque
más de 200 grados
desde acá como saber el norte, o
mejor, también tuvo una camiseta de blanco.
y si las coordinadas indican hacia allá
o lo que te parece





B


fui a ver cuando vamos a casa
poco después de que recogieran hongos y
mirado en cambio
comentando porque
atravesar ese tiempo sólo
como registro de lo que
piensa antes que la ocasión de los latidos
tome posesión.
necesitaba, yo, algo como
cambiar de estrategia
como quien intentase salir de un suelo
cubierto de agua y golpease los pies y provocase
bases de audio
close, textura digital.
esa que se vuelve la
confluencia que quisiste crear
con la órbita compuesta
por la espiral del lago




walter gam, s/t




PORQUÉ ELEGÍ ESE POEMA /

elegí ese poema porque siempre me hace acordar al tejón del clip hecho por michel gondry para human behaviour, de björk. y también a un coche oxidado en luna negra, de louis malle, y a otro posible tejón -que si no aparece en el film, pienso que debería ser incluído





SOBRE UNA FOTONOVELA DE FELIPE NEPOMUCENO 

El auto averiado junto a la mata de espinos
después de derrapar, he aquí la circunstancia.
Pero
                -está claro-
                                               había un amor haciendo
doler todo. Y, en el asiento de atrás, la nube de
coñac y marihuana de donde emergían,
iluminados, sepia, los rostros de K. y
de la joven india.
                               “Extraño que todo esto no
parezca una pesadilla”, decía Aníbal, “con
tanta luna, la world music de los animales del
borde del camino.”
                               Pero el poema iba creciendo,
como el óxido en las puntas espinosas de la
carrocería, junto a la mata de espinos,
después de derrapar.




NUESTRO ITINERARIO, INSOMNIO... 

nuestro itinerario, insomnio
avenida.
hojear imágenes tipo vogue 94.
un juego material con lado perecible.
al almacenar ese terreno,
la serie de aquietamientos,
saltos olvidados a
un plano de dispersión.

sabés, robo todo cuanto podría emerger
cuando la música continúa y las manos están apoyadas en la vidriera.

acumulación de retículas, toques mínimos,
golpeteo en la memoria reciente. la heroína en medio
de su lamento infantil.
lágrimas postizas por el canto.
tenía muchas restricciones para verla

en aquella época y cuando ella entró,
samples repetidos hasta el agotamiento.

llega la mayor parte de los sonidos de un aparatito
a pilas que encontramos.
tienen algunos sonidos de animales y de la
naturaleza pero siempre con un chirrido propio.

fueron quedando dos
veces
más otras tantas
y por fin ya son lo contrario incluso.
si pudieran habrían
sido plantas sin crujidos.
tendrían el faro
mirando al horizonte.

Publicado por Aníbal Cristobo ......http://kriller71.blogspot.com.es/





Descia pela calçada comportando
porções breves.
segunda-feira e mais algumas sardas.

absorve o risco, as batidas, fricção, abelhas.

cerca, perto demais.
ingressaria em qualquer rumo transitório.
um pouco se solta, o
pouco que se solta.
aproveita a expansão supondo
que se acomodam os intervalos.

a mais, danças curtas.
montagens.
estamos ausentes sobre a margem estreita.
estamos mais ou menos
em todas as coisas como néon e menta.

(de Ambiente, 2009)






§


Como responder aos que se irritarem e disserem que isto simplesmente não é poesia? Onde, os topoi clássicos? Há realmente uma recusa quase completa de tudo o que conhecemos como elementos tipicamente poéticos. Não há metáfora, não há musicalidade marcada, reconhecível. Os textos são realmente áridos. Fazem uso quase exclusivo da metonímia, "um processo sincrônico pelo qual se multiplicam as ocasiões de emprego de uma palavra além do seu campo semântico específico", para usar uma de suas definições. Sem o uso da quebra-de-linha, poderíamos estar diante de uma prosa enlouquecida. É por isso que a quebra-de-linha se torna, então, parte do acúmulo de significado, servindo também para desequilibrar a sintaxe. 

As recusas de Gam parecem ser totalmente conscientes, são sustentadas por todo o livro, o que torna redundante somente empreender uma leitura crítica deste trabalho a partir do que conhecemos como "gênero poético". Talvez o que Walter Gam nos apresenta neste livro possa ser compreendido apenas em sua construção como textualidade, conscientente artificiosa, como em certos poetas da revista L=A=N=G=U=A=G=E. O que insinuo é que tentar aplicar ao trabalho alguma tabela de apreciação baseada em modelos clássicos ou prévios poderá nos levar ao conhecimento do que este livro não é, mas não daquilo que é ou pode ser. Mas isso parece estar previsto nos próprios textos, pois eles apontam constantemente, de forma quase provocativa, para aquilo que eles não trazem, não fazem, não comportam, não carregam. Talvez seja como uma música em não importam as notas, mas o silêncio entre elas? O espaço de tempo entre as faixas de um álgum de canções? Os enlaces sintáticos aqui não são vocábulos de mãos dadas. Aqui, sintaxe é o dar a mão a quem está ausente. Nestes textos, sentido não se forma, aparentemente o sentido só se acumula. As palavras aqui são como pedras que desmoronam e se empilham. O livro anota percepções de relance, aproximações hesitantes, os sons vêm sempre em chiado. Como a bússola, em que o sul localiza-se apenas por ironia. Rosa-dos-ventos despetalada? "Antialéphica", talvez seja uma linguagem que não se quer representação do Globo, apenas oferece uma série de pontos de encontro possíveis entre uma latitude e uma longitude.

§

Apneia

acontece que me lembro de pouco

talvez de ser associado

a também quando é

conveniente. sem reclamações

em meio às peças

monta um projeto de sabotagem

insinuando perspectivas

da liquidez ao escoamento

enquanto carrega seu

senso de infinito.

a vegetação inverte o relevo.

sobre o quanto se fixa

num panorama de zeros

(de Ambiente, 2009)


§

Não é verso. O que resta é a quebra-de-linha, que se torna então central; mas central como um precipício. Walter Gam cartografa alguns becos-sem-saída no mapa da língua. Os textos parecem caçoar de sua própria exegese. Ou trata-se de sarcasmo para com a poesia que se mostra como cão a correr atrás do próprio rabo? Nas palavras de Jacques Roubaud: "O poema diz o que diz dizendo-o", insistindo na impossibilidade da paráfrase. Pergunto-me se isso, de certa maneira, aponta para a crença de Walter Gam no que já foi chamado de "autonomia da linguagem poética", algo que tanto guiou alguns dos modernistas. Mas isso se apresentava em modernistas como Giuseppe Ungaretti ou August Stramm, poetas em quem ocorre uma escrita também altamente elíptica, pela intensidade de uma linguagem metafórica, vindo da poesia pura de Mallarmé e Valéry. A linguagem de Gam, no entanto, é opaca e átona. 

§

Não que fosse para comparar quais são as
coisas em comum. era a vez da captura desde as bordas.
parece que foi assim que
conheceu um sem-número de vontades.

em seguida: sem surpresa.
prefere esse drama mais pessoal do que as
suspeitas tomadas por 
radiotransmissão. uma após a outra. era a camada
de álcool exalando
durante o sono, repetia: véspera.

(de Ambiente, 2009)

§

O texto que abre o livro chama-se "aka", a expressão also known as, o que parece apontar para a referencialidade da linguagem, o que já foi chamado de transparência do signo. O que nos remete à chamada crise da representação, questionamento dessa referencialidade? Algo como a poesia de John Ashbery? Mas não há nesses textos os conectivos fraturados dos poemas de Ashbery, que praticam nos poemas do americano algo como a ação de fincar placas de trânsito erradas, sabotando o discurso linear. Parece ligar-se mais à poesia de dadaístas como Tristan Tzara e Kurt Schwitters, talvez. No entanto, uma referência possível, se pensamos em Ashbery, seria seu segundo livro, The Tennis Court Oath (1962).

§

Ou

O.

você parece menor
não distingue o material das palavras,
alguma distração entre
os lugares que podia estar
cheiro de frio

estou contente, contenho todas
as falas todas as pausas

U.

basta uma mínima carga
de tensão pra romper
os ligamentos

o exercício
de ficar incandescente e a
aposta a favor dos
ciclos

sem a agulha
não haveria como amortecer
os sulcos o
relevo que cava,
telemetria e um apontamento para
se abstrair

dobrava a língua nas
posições do paraquedas

diante da escala prata
dissipa em pontos permeáveis

atenta às
massas de ar
12 km/h
leste

(de Ambiente, 2009)

§


Se a nós chegaram apenas fragmentos de Safo e a completude de seus poemas espreita no branco da página, Gam cria já nestas condições. Nós tendemos a analisar a diagramação de um poeta apenas quando ele ocupa espaços não convencionais na página. No caso de Gam, com suas linhas espremidas à margem esquerda, é como se o texto apontasse para a metade vazia da página? Como se cada texto fosse o mapa da ação de extirpar, do contexto, o prefixo "con"? Não há mot juste aqui. Há a intensa instabilidade de significado. Descontextualizar uma linha, uma frase, um verso é impossível. Não se sabe aonde o poeta quer chegar até se atingir o ponto final final. No entanto, nem mesmo o ponto final ele nos fornece, em qualquer dos textos do livro. Não há certezas, as asserções são instáveis, cancelam-se. O significado em suspenso. Sintaxe, nesses textos, torna-se a torrente de surpresas de elo em elo de uma corrente, cada um crendo-se o último e ao mesmo tempo o primeiro. Há textos no livro que parecem se estruturar por uma parataxe radical, outros por aquilo que Alfonso Berardinelli já chamou de uma espécie de "hipotaxe submersa". Gam escreve: "nota que uma hora / de nada adianta o / fuso horário". Esses textos podem também apontar para uma pesquisa de expulsão do "eu", que deixa de exprimir para montar. Como fazer LEGO do ego. Fragmentos de um eu ausentado ou em delírio. São apenas hipóteses, para talvez entender as afirmações do jovem poeta em meio às suas negações.


--- Ricardo Domeneck


§


POEMAS DE WALTER GAM
oralizados no vídeo.



Com o breve arrepio de feltro,
revirando a bolsa. a tela
comentada. levam ao que conclui ser: esconderijo.
a única palavra que aprendeu
em coreano: pode. há sempre um
jeito de distribuí-la onde as árvores da ponte


§


Volver antes que assente
no fundo você planeja o saibro
esfarelado entre as digitais. 
podia escavar ao fim do que
dele se aproxima 
feita a curva liga/desliga
isolando-se, seu ambiente ciano
ia conduzido ao longo
de bifurcações
num magnetismo quase
sem porosidade 

com marcas de sol
na pele songs for
drella se alimenta de anestésicos
por enquanto eu 
decodificava a questão da escala.
nunca houve certeza em palavra alguma
e não há
porque assumir
um sinalizador névoa adentro
se o desgaste de toda exibição
volta


§


Lições de piano para clara
voz captada com chiado
flexi digiti
trazia roteiros muita pressa
algo compulsivo.
em qual motivo revolve os milhares de versões
picotando nossa geografia
por coordenadas tão específicas
que dentro se prestam a não
ter vontade

a superfície móvel no interior das letras
fica o mapa ilhado

eu as trouxe. ouvi dizer que está por pouco
correspondência entre lugares comuns

inventa um rosto pra modelo
do cabelo ao secret cinema e ela me olhava
sem dúvida e pensava nos
clássicos mas de moletom
no balcão
com o relógio parado 9:20
de 3 dias atrás


§

Ikb


a

a cilada das voltas ao
redor do mesmo não impede a
sensação de se adiantar
mas ele desce no meio do nada
com um saco de carvão
ou pra reparar um dano.

já viu mais containers
do que sempre
a frequência oculta e
já não a que acorda
no fio do estrangulamento



b

entre a imersão no laser e o
abaixo das nuvens
single channel
nunca sabendo qual
dosagem do que
se escuta obcecado
com a viabilidade estética
seria uma projeção de você
já se os ecos, apenas
por sorte a
dúvida induz
o que digo desde quando
se desintegra numa perspectiva
particular significa
ser imobilizado. acena
abaixo do toldo
esse descolorido feito
no mês como resgate


§


Nosso itinerário, insônia
avenida.
folhear imagens tipo vogue 94.
um jogo material com o lado perecível.
ao armazenar esse terreno,
a série de acalmamentos.
saltos olvidados
um plano de dispersão.

sabe, roubo tudo aquilo que podia emergir.
quando a música continua e as mãos estão encostadas
na vidraça.

amontoado de retículas, toques mínimos,
pancadaria na memória recente. a heroína no meio
do seu lamento infantil.
lágrimas postiças pelo canto.

tinha muitas restrições em vê-la

naquela época e quando ela entrou,
samples repetidos à exaustão

vem a maior parte dos sons de um aparelhinho
à pilha que a gente encontrou.

eles têm alguns sons de animais e da natureza

foram ficando duas
vezes
mais várias outras
e por fim já são o contrário mesmo.
se pudesse teriam
sido plantas sem rangidos.
teria o holofote
mirado pro horizonte

Postagem preparada por Marília Garcia e Ricardo Domeneck.
http://revistamododeusar.blogspot.com.es/2010/01/walter-gam_05.html








No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada